LP Wallers
LP Wallets
LP Wallets
Slider

CASH ADVANCE

Obtenha um crédito na sua conta bancária ou levante dinheiro num ATM em todo o mundo

Com o cartão UNIBANCO tem a possibilidade de levantar dinheiro a crédito em qualquer ATM ou fazer transferências do valor disponível no seu cartão de crédito para a sua conta de depósitos à ordem e dispor do dinheiro quando precisar de uma forma rápida.

Levantamento em ATM

Levante dinheiro em qualquer ATM em Portugal e no Estrangeiro até ao limite disponível do seu cartão de crédito UNIBANCO, num máximo de 1.000€ a cada 4 dias. 

Transferência para a conta à ordem

Transfira o saldo disponível do seu cartão de crédito e disponha de forma rápida do dinheiro na sua conta bancária

Sobre o valor transferido para a conta bancária ou levantado em ATM será aplicado uma taxa de 3.95%, acrescida de 3.00€. Caso o levantamento seja efetuado fora da UE acresce uma comissão máxima de 3% (acresce imposto de selo de 4%, artº 17.3.4.). Para mais informações consulte o preçário.  

CASH ADVANCE

COMO FAZER O PEDIDO NA App?

Faça login na APP UNIBANCO

Faça login na APP UNIBANCO disponível para IOS e Android

Solicite o seu Cash advance

Toque no menu “Operações” seguido de “Cash advance”

Receba o valor na sua conta bancária

Indique o montante a transferir, a partir de 250€, e o seu IBAN

Logo App Store - Unibanco

Com o cartão Unibanco tem sempre 20 a 50 dias de crédito sem juros. Nas restantes situações, caso não pague a totalidade do saldo aplica-se: TAEG 15,9%.

Exemplo para limite de crédito de 1.500€; prazo 12 meses; TAN 14,600%. Válido para adesões desde 1 de julho de 2022. Para mais informações contacte a UNICRE – Instituição Financeira de Crédito, S.A., registada junto do Banco de Portugal com o n.º 698 e sujeita à respetiva supervisão, verificável em https://www.bportugal.pt/.

A presente divulgação foi elaborada em cumprimento do disposto na legislação e na regulamentação aplicável, em especial no disposto no Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, no Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de junho, bem como na regulamentação emitida pelo Banco de Portugal sobre a matéria, observando, em particular, os princípios de veracidade, transparência e equilíbrio.