Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro

Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro

min de leitura

Neste Dia do Estudante, o Unibanco preparou uma série de cábulas, perdão… dicas, para ajudar os universitários aproveitarem ao máximo o dinheiro disponível.


Publicado em 23-Mar-2022

Para muitos estudantes a ida para a universidade significa também o primeiro momento em quem ficam realmente “por sua conta”, o que obriga a ter especial atenção “à conta”, uma novidade para a qual nem sempre estão preparados. Torna-se fundamental aprender a gerir o dinheiro, para fazer face às despesas do dia a dia e conseguir cumprir com as restantes obrigações.

Dominar bem esta etapa será determinante para o sucesso académico, e uma lição para a vida, razão pela qual o Unibanco elaborou uma série de dicas para lidar melhor com esta responsabilidade:

Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro | Unibanco

1 Elaborar um orçamento

Para se conseguir gerir dinheiro é fundamental ter uma noção clara das despesas. Nesta altura a maioria ainda depende financeiramente da mesada dos pais e não será desejável pedir “reforços de capital” até porque, provavelmente, os pais estão já a fazer um esforço financeiro extra para acomodar esta situação e nem sequer podem. O primeiro passo será então fazer um levantamento do valor do alojamento e dos gastos associados (água, luz, etc), custos com transportes (passes), material educativo ou despesas com a alimentação. Será importante incluir todos os pequenos gastos − por exemplo, quem não dispensa um café e um pastel de nata a meio da manhã – porque só assim será possível perceber o que sobra para as jantaradas e os outros “luxos” semelhantes . Alguns destes custos podem ser difíceis de avaliar, especialmente no caso dos estudantes que se mudam para uma cidade que não conhecem, pelo que é conveniente recorrer às redes sociais e aos fóruns da universidade, onde geralmente encontram grupos de alunos mais velhos que podem dar uma ajuda. Sites como o Expatisan também podem ser consultados, para se perceber melhor o nível de vida na cidade, como já referimos nestas dicas para quem vai de Erasmus.

Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro | Unibanco

2 Alojamento

O alojamento será, porventura, a principal e maior despesa, logo aquela que requer maior ponderação e pesquisa. Dito isto, as residências universitárias da própria instituição são geralmente uma solução atrativa, quer pela localização, quer porque os preços tendem a ser mais baixos. Ainda por cima são perfeitas para entrar no “espírito académico” e fazer novas amizades. Infelizmente (tinha de haver um mas…) não costumam ter muitas vagas e a prioridade acaba por ser dada aos alunos candidatos a bolsa. Nunca desistam, no entanto, porque quem não conseguir no primeiro ano pode entrar no segundo.

As alternativas passam então por encontrar residências privadas ou dividir a casa com outros estudantes, que pode ser uma experiência igualmente divertida e já com uma dose extra de responsabilidade (limpar, cozinhar, partilhar, etc) Nestes casos, convém esclarecer muito bem que despesas estão incluídas (idealmente os serviços) e tudo o que é pago à parte, para evitar futuros dissabores.

3 Tirar uma bolsa

Conseguir uma bolsa de estudo universitária será uma ajuda preciosa para fazer face a todas estas despesas, mais ao pagamento das propinas. Para mais porque, como vimos no ponto anterior, os bolseiros têm prioridade na entrada em residências. As bolsas de estudo estão dependentes da situação financeira do agregado familiar, e todas as informações sobre as condições de atribuição, prazos e formulários podem ser consultadas na Direção Geral do Ensino Superior. Para quem não se enquadra existem ainda as bolsas de mérito, dependentes apenas do aproveitamento excecional do aluno, e independentes do rendimento. Estas podem ser atribuídas tanto por entidades de ensino públicas como privadas, e mais uma vez pode consultar o site da DGES para saber mais informações.

Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro | Unibanco

4 Ter uma conta digital

Uma conta digital, como a Conta Unibanco, é muito fácil de abrir e deve estar no topo das prioridades porque permite aos pais enviar dinheiro aos filhos de forma simples, rápida e sem custos, e a estes fazer todos os pagamentos com um cartão pré-pago (recarregável na app da Conta Unibanco) de forma mais segura. O cartão será virtual inicialmente, mas pode ser pedida a versão física sem qualquer custo associado. A Conta Unibanco permite ainda consultar e controlar todos os gastos, organizando-os por categoria e criando assim um quadro mais preciso do quanto se gasta, e em quê. 

5 Economizar nas refeições

Sabemos como daria muito menos trabalho encomendar todas as refeições ou mesmo jantar fora, mas preparar a comida em casa permite uma poupança substancial. Especialmente para quem for ao supermercado com uma lista bem delineada, e evitar compras impulsivas. Quando pensado cuidadamente, este menu caseiro permite também fazer uma alimentação mais saudável e diversificada, tanto ao almoço como ao jantar. Outra alternativa são as cantinas universitárias, porque oferecem refeições com qualidade e muito mais em conta do que a restauração tradicional.

Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro | Unibanco

6 Aproveitar os descontos de estudante

Tecnologia, transportes, alojamento, alimentação, espetáculos… Em quase todas as áreas é possível encontrar descontos específicos para estudantes, então porque não aproveitá-los ao máximo? Sempre que possível devem pesquisar-se alternativas com descontou ou, no limite, perguntar se o fazem já no local.

7 Aproveitar os serviços universitários

A maioria das faculdades oferece diferentes serviços aos seus alunos, por preços reduzidos ou mesmo gratuitos. É o caso das consultas médicas, prática desportiva, bibliotecas, as cantinas de que já aqui falámos… a lista depende muito da Universidade, mas é geralmente extensa.  

Dia do Estudante: vamos aprender a gerir o dinheiro | Unibanco

8 Comprar livros em segunda mão

Na universidade não existem livros obrigatórios, mas uma bibliografia recomendada para cada cadeira. Infelizmente, alguns desses livros poderão ser bastante dispendiosos, levando muitos a optar por consultar ou requisitá-los na biblioteca. Quem pretender ficar mesmo com algum livro pode sempre procurar adquiri-lo em segunda mão, geralmente a antigos alunos, por um preço mais em conta.

9 Encontrar uma fonte de rendimento extra

Por vezes a melhor solução já não passa por poupar ainda mais, mas sim por aumentar o rendimento disponível. Ou seja, encontrar um trabalho em part-time que permita cumprir com as obrigações de estudante. Ser trabalhador-estudante é uma realidade cada vez mais comum, e pode ser vantajoso até pelo contacto com o mercado de trabalho. Para muitos, será mesmo a única hipótese de poderem estudar longe de casa, e para outros uma forma de ter mais dinheiro para os momentos de lazer.

Por C-Studio / Cofina Media