Feijoada com boa companhia Feijoada com boa companhia

Feijoada com boa companhia

min de leitura

Os amigos são indispensáveis e um bom vinho também.


Publicado em 03-Nov-2022 por José Miguel Dentinho, jornalista

Se há coisa que me apetece fazer de vez em quando, mesmo nas refeições rápidas que cozinho ao almoço, em casa, durante a semana, é feijoada. Pode ser a que aprendi com a minha avó Toninha, que começa num refogado de cebola e tomate em azeite e leva feijão-manteiga, chouriço de carne fumado, e apenas curado, e um pouco de vinho branco. Depois de cozinhar, a olho, cerca de meia hora, acrescento um pouco de molho de tomate e sal, para terminar 10 minutos depois. Faço-o, por vezes, como petisco de entrada para outros repastos, e nunca é suficiente.

Mas há também feijoada à transmontana, comida de substância com feijão-vermelho, cebola, tomate, alho, repolho, alguma cenoura, carnes e enchidos de porco, azeite e louro. Nada como um tinto com corpo e estrutura para companhia deste repasto recomendável para o fim de semana, ao almoço, para ser saboreado devagar, de preferência em boa companhia.

Também há tripas à moda do Porto, na companhia, ou não de arroz branco e a feijoada à brasileira, que leva, para além do feijão-preto, carne de vaca e porco, entre outros ingredientes. Faço-a quase sempre que se decide comer picanha cá em casa, que leva também a companhia de caldo-verde frito com alho e bacon, farofa e abacaxi para refrescar o palato de vez em quando. Normalmente, escolho a companhia de um vinho tinto elegante e fresco para este prato.

Outra das feijoadas que gosto de fazer cá em casa é uma herança do meu amigo Zé Manel. Não sei se aprendeu com alguém ou se a inventou, mas leva um refogado de cebola e alho em azeite, feijão-branco, natas, orégãos e cogumelos de lata. Rápido, fácil e com um resultado muito saboroso. Esta feijoada reservo-a para um branco chamado de inverno, com alguma textura e estrutura, mas também pode ser saboreada com um tinto sem madeira, de preferência.

Temos ainda as feijoadas de frutos do mar, para as quais reservo o rosé, a cachupa de Cabo Verde, que pode ser de carne ou peixe, o cassoulet francês, que leva, entre outros, gordura de pato e banha, para além das coxas da ave, salsichas frescas e pele de porco, ou a fabada asturiana, que integra, entre outros, feijão-branco, carnes de porco fumadas e cruas e pimentão e açafrão.

O que não falta em Portugal e por esse mundo fora são feijoadas, pratos quentes e saborosos, principalmente se forem confecionados com paciência e tempo, por quem sabe. São feitos para juntar famílias e amigos à volta da mesa em convívios que se podem prolongar no tempo. Para mim, todas levam um pouco de malagueta, para lhes acrescentar sabor, e têm geralmente a companhia de vinho tinto. De preferência com alguma estrutura, mas também frescura para compensar o peso dos temperos e ingredientes do prato, e tempo para mostrar o seu equilíbrio e personalidade.

Conde d’Ervideira Escolha do Enólogo Rosé

Produtor: Ervideira Sociedade Agrícola
Casta: Alicante Bouschet
Ano de colheita: 2021

Vinho alentejano de aroma fresco, intenso, em que se salientam notas de fruta vermelha a lembrar morangos e framboesas e alguma geleia de frutos vermelhos. Boca fresca e harmoniosa, com algum volume, e final longo com persistência de notas de frutos vermelhos. Um vinho para pratos de peixe e carne grelhados, que ficará também bem com pratos de massa e de cozinha chinesa e feijoada de frutos do mar. Sirva-o entre os 12 e os 14 ºC.

Feijoada com boa companhia | Unibanco

Feijoada com boa companhia | Unibanco

A Serenada Ramisco Tinto

Produtor: A Serenada
Casta: Ramisco
Ano de colheita: 2019

Vinho de aroma intenso, fresco, no qual se salientam notas de frutos silvestres e vermelhos, bosque e um toque de pimenta-branca. Boca fresca e elegante, com alguma textura, estrutura e um final longo, ligeiramente salgado. Uma bela companhia para pratos de carne guisada, que ficará certamente bem com tripas à moda do Porto e feijoada à brasileira. Servir a 15-16 ºC.

Feijoada com boa companhia | Unibanco

Feijoada com boa companhia | Unibanco

QALT Tinto Reserva

Produtor: Quinta Alta
Castas: Touriga Nacional, Touriga Francesa e Tinta Roriz
Ano de colheita: 2018

Tinto duriense de aroma intenso, em que se salientam notas de frutos pretos e boa madeira. Boca com volume e estrutura de tanino fino, também frescura e um final longo com notas de fruta madura e especiarias. Beber na companhia de carnes vermelhas grelhadas, cozido de grão ou feijoada de feijão-manteiga ou vermelho. Servir a 18 ºC no copo.

Feijoada com boa companhia | Unibanco

Feijoada com boa companhia | Unibanco

Santos da Casa Grande Reserva Tinto

Produtor: Santos & Seixo
Castas: Várias de vinhas velhas
Ano de colheita: 2018

Tinto de aroma fresco, complexo, em que se salientam notas de fruta silvestre, passas e amoras maduras. Na boca, onde é muito elegante, longo e persistente, apresenta alguma estrutura de tanino fino. Um vinho para carnes vermelhas e de caça, que fica bem com feijoadas mais opulentas como a transmontana. Sirva-o a 16-18 ºC no copo.

Feijoada com boa companhia | Unibanco

Feijoada com boa companhia | Unibanco

Por C-Studio / Cofina Media

Vítor Sobral, um chef na primeira pessoa

Vítor Sobral, um chef na primeira pessoa

Aos 55 anos é uma referência gastronómica e um dos nossos cozinheiros mais famosos, mas o seu segredo é muito simples: “fazer com que as pessoas comam bem”