Os desafios e as soluções da mobilidade urbana Os desafios e as soluções da mobilidade urbana

Os desafios e as soluções da mobilidade urbana

Numa altura em que tanto se fala de mobilidade urbana, analisámos o que tem de ser feito para garantir o futuro nas cidades à conversa com André Amaro, da Free Now.


Publicado em 27-Set-2021

Mais de metade da população mundial vive em cidades e, segundo as Nações Unidas, a tendência tenderá a agravar-se chegando perto dos 70% em 2050.

Este é um retrato do mundo, mas a situação na Europa e em Portugal não é muito diferente, onde já hoje temos quase metade da população (44%) a viver nos grandes centros urbanos. Ora, se imaginarmos os problemas de urbanismo e de mobilidade daí decorrentes, mais os desafios da sustentabilidade que serão absolutamente vitais no futuro, é fácil perceber que não podemos continuar a apostar nas mesmas soluções do passado, e essencialmente no transporte automóvel próprio.

Os desafios e as soluções da mobilidade urbana | Unibanco
© Volocopter, Raphael Olivier

© Volocopter, Raphael Olivier

“O futuro da sustentabilidade começa na mobilidade” afirma o World Economic Forum, e muitas das soluções  do futuro existem já hoje, ainda que algumas de forma embrionária, como os automóveis autónomos e até os táxis aéreos. Algo que promete tornar-se realidade já em 2023, com o primeiro serviço a ser instalado em Singapura – e para o qual esgotaram os primeiros bilhetes postos à venda.

As cidades vão, pois, apostar numa combinação de serviços de mobilidade, que podem incluir automóveis privados, transportes públicos, shuttles e táxis robots, táxis aéreos e as chamadas soluções de micromobilidade, como scooters, bicicletas ou trotinetas. Muitas vezes inteligentes e todos ligados em rede. Este sistema integrado será a única forma de combater os congestionamentos e a poluição, e garantir a qualidade de vida dos cidadãos, sendo que a próxima década será fundamental em termos de novidades – porque vai tudo acontecer muito rápido.

Bem posicionada para endereçar estas questões está a Free Now, plataforma de mobilidade partilhada que oferece já muitos destes serviços em rede: dos táxis convencionais aos TVDE, das bicicletas às trotinetes e, inclusivamente, como nos conta o seu diretor de Marketing, André Amaro, nesta breve – mas muito interessante conversa: “realizando testes para integrar também as plataformas de transportes coletivos na aplicação. Muitos realizados inclusivamente em Portugal.” Estamos a tentar ter uma oferta abrangente e inteligente, que faça sentido para o utilizador”, acrescenta.

A Free Now é atualmente líder nesta oferta e está disponível em mais de 100 cidades, divididas por nove países europeus, a começar por Hamburgo, na Alemanha, onde tem sede, e também em cidades da Áustria, Irlanda, Itália, Polónia, Espanha, Suécia, Reino Unido e Portugal.

Criada como mytaxy originalmente, por dois amigos que não conseguiram encontrar um táxi à saída de uma Oktorberfest, em Munique, a Free Now passou a fazer parte de uma joint venture entre a BMW e a Daimler (Mercedes) em 2019, sofrendo então o rebranding . No final desse ano passou a integrar as trotinetas e bicicletas elétricas da marca Hive e, no ano seguinte, juntou-se a francesa Kapten, um player muito importante na área dos TVDE. Desde o ano passado integra também na app as scooters da eCooltra.

Os desafios e as soluções da mobilidade urbana | Unibanco

“Os portugueses são muito entusiastas de novas tecnologias” refere André “e isso reflete-se na procura, onde tivemos um crescimento este ano de 212% em veículos elétricos.” Por isso, acredita, “muitas pessoas que hoje têm viatura própria acabarão por fazer naturalmente a transição para estas soluções partilhadas, que serão mais eficientes”.

Porque independentemente do que o futuro nos trouxer, uma coisa é certa: as pessoas vão continuar a deslocar-se e vão tentar sempre fazê-lo da forma mais rápida, económica, confortável e sustentável possível.

Por C-Studio / Cofina Media