Museus e monumentos de Lisboa com entradas grátis em abril Museus e monumentos de Lisboa com entradas grátis em abril

Museus e monumentos de Lisboa com entradas grátis em abril

Museus e monumentos de Lisboa com entradas grátis em abril

Quer visitar um museu sem pagar um euro? Em qualquer dia da semana? Agora já pode, mas só durante este mês. Para celebrar o desconfinamento.


Publicado em 16-Abr-2021

Venha descobrir os museus e monumentos de Lisboa – e arredores – a oferecer entradas grátis ao longo do mês de abril, como forma de celebrar a reabertura, depois de um longo confinamento.

Trata-se de uma excelente oportunidade para descobrir, ou revisitar, espaços muito diferentes, dedicados aos temas mais díspares, sem pagar – Nem sequer no Museu do Dinheiro vai gastar um tostão. Dentro da oferta encontramos, logo à cabeça, os espaços geridos pela EGEAC, a empresa municipal dedicada à promoção e preservação dos espaços culturais. Temos assim o Castelo de São Jorge com entrada gratuita, tal como o Padrão dos Descobrimentos. Os vários núcleos do Museu de Lisboa (Palácio Pimenta, Teatro Romano, Casa do Bicos, Torreão Poente, Santo António)

O Museu da Marioneta, a Casa Fernando Pessoa, o Museu da Resistência e Liberdade ou o Museu Atelier Júlio Pomar, tal como o Museu do Fado.  As galerias Quadrum, no Palácio dos Coruchéus, Boavista e Avenida da India, nas ruas com o mesmo nome, ou o Pavilhão Branco, nos jardins do Palácio Pimenta. Mesmo em frente, do outro lado do Campo Grande, está o Museu Bordalo Pinheiro. Mas a oferta grátis não se resume aos espaços culturais geridos pelo município, por isso venha descobrir o que a cidade lhe reserva:

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

O MAAT também reabriu portas e com três novas exposições: “Aquaria – Ou a Ilusão de um Mar Fechado”, “X Não é um País Pequeno – Desvendar a Era Pós-Global”, e “Earth Bits – Sentir o Planeta”. Uma instalação em quatro partes criada por um estúdio de design de Milão, Dotdotdot, em colaboração com a Agência Espacial Europeia (ESA), e a Agência Internacional de Energia (IEA) e o apoio do Grupo EDP.

Museu do Dinheiro

A ideia é percorrer a história do dinheiro e a sua importância na sociedade ao longos dos séculos. O Museu do Dinheiro aposta forte na interactividade, o que torna tudo muito mais interessante. Os visitantes podem mesmo cunhar uma moeda e imprimir uma nota à sua imagem (virtual) ou até pegar numa barra de ouro de 12 quilos, no valor de meio milhão de euros (mais euro, menos euro). Para além do dinheiro, no mesmo espaço é também possível visitar o Núcleo de Interpretação da Muralha D. Dinis, construída no século XIII.

Espaço Memória dos Exílios

Quem passa na Avenida Marginal talvez nem se aperceba de que neste belíssimo posto dos Correios do Estoril, um edifício inaugurado em 1942, funciona um interessantíssimo museu dedicado à memória dos exilados que se refugiaram em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Alguns famosos e muitos anónimos. O Estoril (com Cascais e Lisboa) era, há época, um viveiro de espiões mundiais, e o centro recolhe muita documentação da época, tendo sempre o cuidado de contextualizar a história com a conjuntura local.

Museus e monumentos de Lisboa com entradas grátis em abril | Unibanco

Museu do Desporto

Da camisola da Rosa Mota às botas de Nelson Évora, o Museu do Desporto tem um acervo incrível de peças ligadas a vários momentos gloriosos do pais. Inaugurado 2012, ano em que Portugal comemorou os 100 anos de participação nos Jogos Olímpicos, o espaço oferece ainda a recriação do local de trabalho do professor Mário Moniz Pereira, o “senhor atletismo” ligado a tantas conquistas desportivas (e não só, como pode ver neste vídeo do museu). O Museu alberga também a Biblioteca Nacional do Desporto, onde estão preciosidades como o livro De Arte Gymnastica, de Hieronymi Mercurialis, editado em 1577, é considerado o primeiro livro de desporto do mundo. Ou a Arte da Caça da Altanaria, de D. Francisco de Mello, de 1616, um dos primeiros a explorar a temática desportiva da caça. O Tratado de Educação Física dos Meninos, para uso da Nação Portuguesa, de Francisco de Manuel Franco, publicado pela Academia Real das Ciências, em 1740, ou Ginnastica Femminil, de F. Valletti, editado pela Real Casa de Milão, em 1892, são também livros a admirar.

Museu da Saúde

Especialmente relevante nesta altura, o Museu da Saúde nasceu em 2017 no antigo Serviço de Neurocirurgia do Hospital dos Capuchos, com a exposição “800 Anos de Saúde em Portugal”. Uma viagem pela fundação dos primeiros serviços de saúde na Idade Média e pelos primeiros hospitais régios em finais do século XV, aos avanços da medicina no período moderno, bem como pelas grandes inovações técnico-científicas que alteraram os cuidados de saúde ou pela luta contra as doenças endémicas no século XX.

Por C-Studio / Cofina Media