Moda Consciente: Vamos ajudar quem ajuda Moda Consciente: Vamos ajudar quem ajuda

Moda Consciente: Vamos ajudar quem ajuda

Moda Consciente: Vamos ajudar quem ajuda

Da igualdade ao meio ambiente, a indústria da moda tem lutado por várias causas, e a luta contra o Covid-19 não é exceção. Vamos ajudar as marcas que ajudam?


Publicado em 28-Ago-2020

A Indústria da moda foi rápida a responder ao início da pandemia. Uma marca de luxo como a Chanel reconverteu a sua produção para fazer máscaras e doá-las aos profissionais de saúde. A Gucci, a Prada e a Armani fizeram batas e protetores de calçado. O grupo Louis Vuitton utilizou a sua divisão de perfumaria para produzir álcool em gel… e não foram os únicos. Em Portugal, Sogrape, Porto Cruz ou José Maria da Fonseca deram o mesmo destino à sua aguardente vínica e as Happy Socks criaram umas meias Stay At Home, cujos lucros revertiam para o SNS. Na verdade, da viticultura à banca, passando pelo desporto foi possível observar vários exemplos de generosidade empresarial, sobretudo no início da Pandemia. Só que a luta ainda não acabou – está muito longe de ter terminado – e é natural que as empresas tenham de continuar com o negócio “normal”. Nada de estranho aqui, mas felizmente solidariedade e lucro não necessitam de ser mutuamente exclusivas, como estes bons exemplos provam:

Lacoste Merci

Moda Consciente: Vamos ajudar quem ajuda | Unibanco


“L.12.12 Polo Merci”. É o nome de um polo solidário desenvolvido pela marca francesa como forma de homenagear – e agradecer – aos voluntários que trabalham diariamente na luta contra o novo coronavírus. O valor da venda reverte na íntegra para a Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, bem como para outras associações através do Fundo Lacoste, e como é de edição limitada não espere muito mais para ajudar. O Polo está à venda na loja online da Lacoste, custa 130 euros e tem a particularidade de ter um coração bordado à volta do crocodilo. Ah, e o Polo é branco, como não poda deixar de ser.

TOMS


A norte-americana Toms é um caso muito sério de solidariedade. Uma marca com uma pegada ambiental sustentável e que desenvolve todos os esforços no sentido de “devolver à comunidade”. Aliás, o modelo de negócio está assente num princípio incrível – e exemplo único: One for one, ou seja, por cada par de sapatos vendido, a Toms oferece outro a uma criança carenciada! Até ao momento já entregaram mais de 95 milhões de sapatos, e até alargaram a área de atuação para incluir problemas oftalmológicos, tendo doado cerca de 780 mil óculos. Como se isto não bastasse, desde Abril a Toms está também a doar um terço dos lucros (33%!) para a luta contra o covid 19. Assim, da próxima vez que lhe apetecer comprar um par de sapatos (ou de óculos) já sabe onde ir. Com orgulho. A marca não vende online para Portugal através do site, mas existem várias lojas no país.

Thidols


A Homenagem esteve sempre presente na Thidols, empresa nacional que vende t-shirts com a caras de ídolos estampadas. Podem ser políticos, como António Guterres, artistas e ativistas, como Greta Thunberg. Assim, a ideia da coleção Thank You surgiu naturalmente e nela encontramos oito modelos que representam outras tantas profissões na linha da frente do “combate a este inimigo invisível”, como refere a fundadora, Marta Velho. Médicos, cientistas, e até o seu herói pessoal, pois existe um modelo totalmente personalizável, para cada pessoa mostrar a sua gratidão. As t-shirts custam 24,90 euros (29,90 a personalizável) e a Cruz Vermelha vai receber 20% dos lucros.

Product Red

Moda Consciente: Vamos ajudar quem ajuda | Unibanco


A Pandemia do Covid-19 alterou catastroficamente os planos de luta contra a SIDA e a malária nas regiões mais desfavorecidas do planeta. Estamos a assistir a um aumento exponencial de mortes causadas por estas doenças por falta de camas hospitalares, pessoal médico e medicamentos, razão pela qual comprar um produto RED, qualquer um – e pode seguir uma lista aqui – continua a ser de fundamental importância durante esta pandemia.

Overcube


O Overcube é a plataforma digital do grupo de calçado português Kyaia, que detém a marca portuguesa mais vendida no mundo, a Fly London, para além da Foreva. Lemon Jelly ou Softinos. É precisamente com estas marcas que decorre a campanha Portugal COmVIDas, em que 10% do valor de cada par de sapatos comprado na plataforma é entregue a instituições de apoio ao idoso. Instituições que, como refere a marca, “precisam de voluntários, de apoio financeiro e de uma estrutura sustentada para dar resposta às necessidades da população mais idosa e desamparada em Portugal”. Para garantir a transparência, o valor angariado, atualizado ao minuto, está exposto na pagina inicial da iniciativa. Que decorre até ao dia 30 de Setembro.

Maison Dior

Moda Consciente: Vamos ajudar quem ajuda | Unibanco


A Dior juntou-se à Global Education Coalition da UNESCO, uma organização fundada para combater precisamente os efeitos da pandemia do Covid-19, que provocou “uma disrupção a uma escala nunca vista a nível global” com efeitos particularmente nefastos junto das crianças e dos alunos mais carenciados e em situação mais vulnerável. A iniciativa procura sobretudo ajudar os países a criar oportunidades iguais no ensino à distância, e a Dior não contribui apenas com fundos, mas recebendo 100 jovens estudantes do Níger, Quénia, Gana, Tanzânia, Jamaica, Paquistão, Filipinas e Sri Lanka. Cada aluna terá mesmo um mentor na casa francesa que as ajudará a perseguir uma carreira profissional. Não existe aqui um produto para comprar, é “só” uma boa iniciativa

Burberry


A britânica Burberry lançou uma iniciativa semelhante, mas desta vez os fundos revertem para a Universidade de Oxford, e para a busca da famigerada vacina contra o Covid-19. O professor Gavin Screaton, Director do departamento de Ciências Médicas da universidade, veio a público afirmar como a doação “foi fundamental para conseguirem acelerar esta pesquisa tão urgente”, colocando Oxford como uma das instituições melhor posicionadas para conseguir criar uma vacina europeia: a investigação passou já à fase de testes clínicos em humanos (voluntários) e, aparentemente, com resultados animadores.

Por C-Studio / Cofina Media