Dê aos seus cartões o final que merecem Dê aos seus cartões o final que merecem

Dê aos seus cartões o final que merecem

O que faz aos seus cartões bancários no fim do prazo de validade? Vamos descobrir o que realmente devíamos fazer com Filipa Castela, do Projeto Merece.


Publicado em 25-Nov-2021

Esse pequeno cartão que usa todos os dias para pagar as compras ou levantar dinheiro é muito mais do que um simples pedaço de plástico. Pela importância que ocupa nas nossas vidas, obviamente, mas porque fisicamente tem chips eletrónicos, bandas magnéticas ou antenas e não pode ser reciclado. Não de uma forma normal, por isso, mesmo que o descarte no contentor dos plásticos, vai terminar num aterro, a poluir ainda mais o planeta.

“Mas é só um pequeno pedaço de plástico, que mal pode fazer?” poderão pensar. E se dissermos que cada cartão gera 150 gramas de CO2? E que existem, só em Portugal, cerca de 22 ou 23 milhões de cartões bancários em utilização? Se fizer as contas – nós fizemos – perceberá que esses cartões vão emitir mais de 3 milhões e meio de quilos de CO2 para a atmosfera.

Um impacto ambiental muito considerável − e apenas com os cartões bancários, porque se pensarmos nos cartões de fidelização de lojas, gasolineiras ou supermercados, são descartados perto de 12 milhões, o que equivale sensivelmente a 75 toneladas de resíduos. Por ano.

Foi a crueza esmagadora destes números que levou à criação do Projeto Merece no seio da Contisystems, uma das maiores empresas emissoras deste tipo de cartões. Como nos explica Filipa Castela, a ideia era garantir que existia uma forma ambientalmente responsável de solucionar o problema, conseguindo reciclá-los e compensando mesmo a sua pegada de carbono.

Para o conseguir, o Projeto Merce conta com a ajuda da Extruplás, uma empresa que se dedica à construção de mobiliário urbano e de praia utilizando precisamente materiais reciclados. Já para compensar a pegada carbónica, contam com a Plantar uma Árvore, que plantará uma árvore (naturalmente) por cada quilo de cartões. Ao fim de cinco anos a pegada de carbono será compensada.

Outra boa notícia é que a rede Unicre é parceira deste o projeto desde a primeira hora, e isso significa que sempre que é emitido e enviado um novo cartão UNIBANCO vai também um envelope de Resposta Sem Franquia (RSF), para que possa devolver o antigo sem qualquer custo – e sem mais incómodos do que passar por um marco de correio. Este será assim tratado da forma mais correta para o meio ambiente e, se pretender, pode até cortar o cartão em pequenos pedaços como já fazia habitualmente.

Dê aos seus cartões o final que merecem | Unibanco

Mesmo que o emissor do cartão não tenha aderido ao projeto pode continuar a fazer o que é correto, enviando (agora a expensas próprias) para o apartado que se encontra no site do Merece. O trabalho que têm pela frente é grande, mas a ambição é enorme, e os primeiros passos são muito promissores: nos primeiros dois meses de atividade conseguiram recuperar 570 kg de cartões, plantando igual número de árvores, que vão capturar as primeiras 14 toneladas de CO2.

Por C-Studio / Cofina Media