Vinhos para piqueniques Vinhos para piqueniques

Vinhos para piqueniques

Vinhos para piqueniques

Peixinhos da horta e pastéis de bacalhau, saladas frescas, camarões cozidos, queijos e presuntos são algumas das coisas que se podem levar para piqueniques.


Publicado em 08-Set-2020 por José Miguel Dentinho, jornalista

Expostos sobre uma toalha lavada com as cores do campo, com uma garrafa de vinho que acompanhe a maior parte dos sabores que levamos, são o princípio inspirador de um belo dia passado lá fora, na companhia da família e dos amigos.

A memória mais marcada que tenho de piqueniques é a daqueles que fazia, com a minha família, na área da Fonte Férrea, na serra do Caldeirão, com o meu pai a assar sardinhas ou febras, para depois serem usufruídas na companhia de batatas cozidas e salada de tomate, pepino, pimento e cebola, temperada com orégãos, sal, azeite e vinagre, como mandam as regras de uma boa salada montanheira algarvia. Nessa altura ainda estava longe de pensar que alguma vez beberia vinho, mas o meu pai era, e é, um fervoroso adepto do tinto, que lhe serve de companhia para quase tudo o que vem para a mesa. Eu, pela minha parte, prefiro a companhia de um vinho rosé para as sardinhas assadas, como os que sugiro nestas páginas. Para as febras, também pode ser um rosé com um pouco mais de estrutura, como o Kopke, nos dias de tempo quente, ou um tinto com alguma doçura final e estrutura, como o Pousio.

Mas os piqueniques fazem-se de muitas mais coisas de comer do que sardinha assada e febras. Como sou petisqueiro e gosto de ir variando, sugiro uma quiche de cogumelos ou camarões, tortilha de batata, saladas de feijão-frade e atum e de grão com bacalhau, que podem ser partilhadas à colher, tudo coisas que ficam bem com vinhos brancos com alguma estrutura, ou com rosés, como as pataniscas ou pastéis de bacalhau. Já para o queijo, aconselho brancos, sobretudo os do Dão ou da Bairrada, e a acompanhar o presunto serrano, chouriço ou azeitonas, costumo beber tinto.

Há muitas coisas que se podem levar para um piquenique, na companhia de um bom vinho, servido à temperatura certa em copos apropriados. Depois, é arranjar a melhor companhia para a partilha do momento, e escolher o melhor lugar para o repasto. Para mim, a vista é essencial e há muitos bons lugares para isso, desde o alto do Parque Eduardo VII até a vários pontos de Monsanto em Lisboa, ou à beira Tejo. No Porto, que não conheço tão bem, escolheria provavelmente as margens do Douro, na zona do Jardim do Cálem. Mas isto é só nas duas maiores cidades nacionais, porque há muitos locais, em Portugal, sugestivos para piqueniques, onde se pode ir comendo devagar, bebendo um copo, conversando e usufruindo do lugar. 

Kopke Winemaker’s Collection Rosé Reserva – Tinto Cão

Produtor: Kopke
Casta: Tinto Cão

Vinho cor de salmão pouco intensa, é fresco na boca, tem alguma untuosidade e é longo, com notas de rebuçado de morango no final. No nariz sentem-se notas florais a lembrar rosas e de fruta fresca vermelha, entre outras, a romã. Trata-se de um vinho produzido com uvas da casta Tinto Cão, de vinhas plantadas na região duriense do Cima Corgo, a mais de 400 metros de altitude. Com grande potencial de guarda, este vinho é boa companhia para carne de porco à alentejana, bifes de atum de cebolada, sardinhas assadas, pizzas, quiches e queijos picantes, por exemplo. Servir entre os 10 e os 12 ºC.

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Pato Rebel 2017 Branco

Produtor: Luís Pato
Casta: Bical, Cerceal e Maria Gomes

Vinho com aroma no qual se salientam as notas minerais a lembrar calcário, gesso, mescladas com ameixa branca e maçã. É um branco cheio, com corpo, mas também frescura, um Bairrada de alma e coração. Está pronto para beber, mas pode ser guardado durante alguns anos. Sirva-o entre os 10 e os 12 ºC, na companhia de uma açorda de gambas, e verá como os dois se emparceiram bem na passagem pela boca. Para além do marisco, este vinho é certamente bom companheiro de saladas de feijão-frade e atum ou de grão com bacalhau, massas, de um presunto serrano temperado com azeite e orégãos, de vários queijos e de outras coisas que gostamos de comer em piqueniques.

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Boa Noite Lisboa Rosé 2019

Produtor: Vidigal Wines
Castas: Castelão e Syrah

Produzido com uvas de uma casta tinta nacional, o Castelão, e outra internacional, a Syrah, é um vinho cristalino, de cor rosa-salmão, com aroma intenso e fresco, em que se sentem notas florais a lembrar pétalas de rosa, mas também fruta vermelha, um ligeiro rebuçado e algum mineral. Na boca é leve e fresco, ligeiramente sedoso. É bom parceiro de saladas, pizzas, mariscos cozidos ao natural, mas também de coisas tão boas e viciantes, no bom sentido, como rissóis de peixe ou camarão, peixinhos da horta, pastéis de bacalhau e pataniscas. Deve ser servido por volta dos 8 a 10 ºC no copo.

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Pousio Selection Tinto 2017

Produtor: Herdade do Monte da Ribeira
Castas: Alicante Bouschet, Syrah e Trincadeira

Vinho de cor rubi, é escuro, quase opaco. Os seus aromas são marcados pela fruta preta, a lembrar sobretudo amoras, ginjas, outros frutos silvestres e alguma compota, em equilíbrio com notas vegetais. Na boca é redondo, equilibrado e longo, com alguma doçura final. É um vinho que se adapta a muitos dos pratos do dia a dia, que deve ser servido a 15/16 ºC, no copo, para permitir que vá abrindo. Experimente-o, no seu piquenique, na companhia de queijos, febras, picanha grelhada com feijoada à brasileira, umas fatias de pizza ornamentadas com bacon ou chouriço ou quiche com cogumelos, por exemplo.

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Vinhos para piqueniques | Unibanco

Por C-Studio / Cofina Media