“Nem todos os dias são felizes, mas tentamos sempre fazer o nosso melhor” “Nem todos os dias são felizes, mas tentamos sempre fazer o nosso melhor”

“Nem todos os dias são felizes, mas tentamos sempre fazer o nosso melhor”

Estivemos à conversa com Patrícia Boura, Presidente da Fundação do Gil, neste que é um verdadeiro podcast de intervenção: para ouvir e agir!


Publicado em 03-Dez-2021

A próxima grande aposta da Fundação do Gil, para a qual estão atualmente a tentar angariar fundos, será criar uma Clínica de Saúde Mental. Porque perceberam − isto já antes da pandemia − que existia uma necessidade cada vez maior de ter este apoio com psicólogos e pedopsiquiatras. Dizem os estudos que uma em cada cinco crianças tem essa necessidade − imagine-se as crianças em situação tão fragilizada como aquelas que se encontram à guarda da Fundação.

Para estas, o carinho, o colinho dos funcionários da casa continua a ser fundamental, mas não chega só por si. É necessário um apoio mais profissional e isso representa outra preocupação, mais um desafio para ultrapassar, num país tradicionalmente com pouca consciência solidária a este nível.

“Nem todos os dias são felizes, mas tentamos sempre fazer o nosso melhor” | Unibanco

A verdade é que desde que nasceu em 1999, com a mascote da Expo 98, que a Fundação tem lutado contra este isolamento, e feito um percurso incrível na ajuda às crianças em risco de exclusão social e de doença. Assim como das suas famílias. Entre o acolhimento e os cuidados paliativos ao domicílio, são muitos anos de luta e  de histórias extraordinárias, como nos conta Patrícia Boura, numa conversa franca e bem-disposta. Para ouvir − como dissemos logo no início − e agir, porque bem merecem.

A Unicre associou-se à Fundação, criando o Cartão Presente do Gil, que funciona tal e qual como um cartão presente, mas com uma forte componente de solidariedade.

Por C-Studio / Cofina Media