Onde ver os filmes nomeados aos Óscares este ano Onde ver os filmes nomeados aos Óscares este ano

Onde ver os filmes nomeados aos Óscares este ano

Onde ver os filmes nomeados aos Óscares este ano

A grande cerimónia decorre já este fim de semana, mas no ano mais atípico de sempre para o cinema, sabe onde pode assistir aos filmes nomeados à estatueta dourada?


Publicado em 23-Abr-2021

O velho chavão começa a perder sentido. “Numa sala de cinema perto de si” podia ser encurtado para “Numa sala perto de si” ou “Numa sala em sua casa”, porque muitos dos mais recentes candidatos aos Óscares já não nascem em Hollywood, e nem sequer viram o ecrã de uma sala de cinema. Principalmente este ano, porque, com os constrangimentos provocados pela pandemia e as salas de cinema fechadas, os grandes estúdios não tiveram outro remédio senão passar os filmes diretamente para o vídeo on demand e para as plataformas de streaming ou então adiar as estreias. Felizmente, as últimas foram uma minoria e eis que chegámos, ainda que com algum atraso (a cerimónia costuma acontecer em fevereiro), à 93.ª edição dos Academy Awards. A noite dos Óscares acontece já este domingo, dia 25 de abril, por isso vamos descobrir, sem mais delongas, onde ver os principais candidatos às estatuetas.

E os candidatos a Melhor Filme podem ser vistos em…

Mank – na Netflix

Mank lidera a corrida com dez nomeações. A começar pela de Melhor Filme, onde é um dos favoritos. Depois, esta história que conta os bastidores das filmagens de Citizen Kane, O Mundo a Seus Pés, de Orson Wells, está ainda nomeado para a Realização (David Fincher), Ator (Gary Oldman), Atriz Secundária (Amanda Seyfried), Direção Artística, Fotografia, Guarda-Roupa, Caracterização, Som e Banda Sonora.

Nomadland, Sobreviver na América – nos cinemas

Nomadland, apesar de ter menos nomeações (6) parece estar à frente na corrida para esta estatueta, depois de ter sido o filme indicado pelas principais confederações sindicais que fazem parte da Academia. O filme conta a história de uma mulher que perdeu (quase) tudo na crise económica de 2008, e decide então viajar pelo Oeste Americano de autocaravana, como uma nómada dos tempos modernos. Para além do Óscar de Melhor Filme, Chloé Zhao está também indicada pela Realização, Argumento Adaptado e Montagem, quatro estatuetas no total e, se as ganhasse, igualaria o feito de Walt Disney em 1954. Além disso, temos a Fotografia e Frances McDormand parece também muito forte na candidatura a Melhor Atriz.

O Pai – nos cinemas, a partir de 6 de maio

O Pai, um drama familiar de produção franco-britânica empata, com a maioria dos outros candidatos a Melhor Filme, no número de nomeações: seis. Entre elas a de Melhor Ator para Anthony Hopkins, um recorde ao ser o mais velho ator nomeado, com 83 anos e 74 dias. Faz história, também, por ser a sétima nomeação da sua carreira e por ser o único repetente do ano passado, quando foi nomeado como secundário por “Dois Papas”. Seguem-se Melhor Atriz Secundária, para Olivia Colman, que vai extraordinária no papel de filha, e Melhor Argumento Adaptado, Melhor Design de Produção e Melhor Montagem.

Judas e o Messias Negro – não tem data de estreia

Seis nomeações também, incluindo surpreendentemente duas para Melhor Ator Secundário (com Daniel Kaluuya e LaKeith Stanfield), num filme que retrata uma das figuras de proa do movimento Panteras Negras. Um tema fraturante em pleno recrudescimento dos conflitos raciais nos EUA. Ainda sem data de estreia em Portugal, o que se alterará rapidamente se vencer aqui.

Os 7 de Chicago – na Netflix

Um filme poderoso sobre o julgamento de um grupo de manifestantes que se opunha à intervenção americana no Vietname. Conta com um elenco fortíssimo e está nomeado também para seis estatuetas, incluído a de Melhor Ator Secundário com Sasha Baron Cohen, um favorito a levantar o troféu. Melhor Argumento Original (Aaron Sorkin), Melhor Fotografia e Melhor Montagem são outras hipóteses.

O Som do Metal – na Amazon Prime Video

Um outsider a vencer a estatueta mas, ainda assim, também com seis nomeações, incluindo Melhor Ator (Riz Ahmed), Melhor Ator Secundário (Paul Raci), Argumento Original, Montagem e Som. Um filme que ultrapassou as expectativas nas nomeações, e surpreende pela forma como relata a história de um baterista que perde a audição e que, em vez de se focar na perda, convida-nos a acompanhar a sua viagem para um mundo radicalmente diferente.

Uma Miúda Com Potencial – nos cinemas já a 29 de abril

Carie é uma personagem e tanto. Nada na sua vida é o que parece, tal como este thriller não é o que parece. Original é o mínimo que se pode dizer da realização de Emerald Fennell, que está também nomeada para esse prémio. De salientar que é a primeira vez que a categoria (Realização) conta com dois nomes femininos (junto com Chloé Zhao, por Nomadland) e que estas são apenas a sexta e a sétima nomeadas em toda a história (93 anos) da Academia – e só Kathryn Bigelow venceu em 2010, com Estado de Guerra. A lista de Uma Miúda conta ainda com Carey Mulligan para Melhor Atriz, num total de seis nomeações.

Minari – nos cinemas a partir de 13 de maio

Mais um filme a quebrar preconceitos nos Óscares, e a valer a primeira nomeação para um ator de ascendência asiática, com Steven Yeun para Melhor Ator, que se junta assim a Lee Isaac Chung na Realização, e a Youn Yuh-jung para Melhor Atriz Secundária. Será que o velho sonho americano ainda faz sentido para uma família de emigrantes coreanos?

Ma Rainey: A Mãe do Blues – na Netflix

Fora dos nomeados para Melhor Filme, Ma Rainey, é um dos mais falados do ano – e muitos estranham a sua ausência no primeiro galardão. Com cinco nomeações no total, está entre os favoritos para levar para casa os dois prémios mais importantes de atuação: Chadwick Boseman, nos homens e Viola Davis nas atrizes. No caso do primeiro, trata-se de uma nomeação a título póstumo, pois faleceu em agosto passado, e parece claramente o favorito. Já Viola Davis terá certamente de lutar pela estatueta com Frances McDormand. De qualquer forma, com quatro nomeações, tornou-se na atriz negra mais vezes indicada para um óscar.

De referir que com os filmes Ma Rainey (5), Mank (10) e Os 7 de Chicago (6), entre outros, a Netflix consegue um total de 35 nomeações, deixando os grandes estúdios de Hollywood bem lá para atrás. Pelo segundo ano consecutivo, mais um sinal dos tempos.

Para ver em streaming, e grátis

Além destes blockbusters, os prémios da Academia chegam a muitas categorias que nem sempre recebem a merecida atenção. É o caso da Melhor Curta-Metragem e Melhor Documentário – Curta, pequenas pérolas de puro entretenimento, cujos nomeados podemos encontrar este ano disponíveis online, e de forma totalmente gratuita. Alguns exemplos: Colette, A Concerto Is a Conversation e Feeling Through.

Agora já sabe, na sala que quiser, só precisa de pegar nas pipocas e ver bons filmes. Ah, e não se esqueça, este ano a cerimónia tem transmissão em direto na RTP, domingo, à meia-noite, prolongando-se pela madrugada de dia 26 dentro. Só para ver os vestidos e perceber se acertaram nas escolhas…

Conte com o UNIBANCO

Tire partido das vantagens de pagar as suas subscrições online com o cartão UNIBANCO e faça a gestão de todos os seus pagamentos em tempo real na APP.

Por C-Studio / Cofina Media