8 cocktails para um final de tarde perfeito 8 cocktails para um final de tarde perfeito

8 cocktails para um final de tarde perfeito

Os mais famosos cocktails do mundo, para viajar em cada final de dia, mesmo sem sair da sua cidade.


Publicado em 23-Jun-2021

Os italianos adoram os seus aperitivi. Não são os únicos, obviamente, mas em mais nenhum sítio o costume está tão intimamente ligado ao estilo de vida um povo que, todos os dias, antes de jantar, sai para o seu bar preferido tomar um cocktail de eleição e descomprimir. De ano para ano, essa moda tem vindo a ganhar cada mais adeptos em Portugal (há coisas piores para copiar), por isso aqui fica uma lista dos cocktails mais famosos do mundo, para ir percorrendo como se fossem uma bucket list. No bar de origem ou num dos melhores spots de Lisboa e Porto

KIr e Kir Royale

Os franceses também adoram o seu apéritif, o e mais famoso deles ganhou o nome de um antigo presidente da câmara de Dijon, Feliz Kir, que tinha por hábito server este cocktail popular aos dignatários que o visitavam, para publicitar os produtos franceses. Antes isso do que mostarda, acreditamos.. Antes do Maire, o Kir chamava-se simplesmente blanc-cassis, precisamente porque é feito com vinho branco e creme de cassis. Já se optar por servir com champanhe tem um Kir Royale. Para beber em qualquer lado da Borgonha ou no hotel mais francês do Porto, o Maison Albar.

The Bellini

Reis e Rainhas, estrelas de Hollywood e famosos de todo o lado rumam ao Harry’s Bar em Veneza com o único objetivo de provar um Bellini, o cocktail que Giuseppe Cipriani inventou em 1931. Pode continuar a provar a receita original, no mesmo bar – até porque Veneza está com menos turistas agora – mas também pode provar um Bellini no Ritz Bar em Lisboa, uma alternativa à altura.

Pimm’s Cup

O mais british dos cocktails, o Pimm’s Cupl é a bebida de eleição no All England Lawn Tennis and Croquet Club, durante o torneio de Wimbledon. Nessa altura os diligentes barman servem mais de 300 mil Pimm’s Cup. Andaríamos por volta de 1840 quando James Pimm, dono de bar de ostras em Londres, inventou um digestivo à base de gin, vários botânicos e laranja caramelizada. Chamou-lhe Pimm’s nº 1 e é esse a base deste cocktail terminado com uma 7Up ou Ginger Ale. Se não o beber em Wimbledon, experimente o Red Frog, em Lisboa

Aperol Spritz

O Spritz é o clássico cocktail italiano, apesar de ter sido inventado – supostamente – durante a ocupação do Veneto pelo Império Austro-Húngaro. Diz-se que as tropas achavam o Prosecco (vinho espumante) demasiado forte e começaram juntar água. Esse é o Spritz, ainda hoje bebido na região. Com o tempo, foram adicionados outros licores, o mais famoso dos quais o Aperol, que se popularizou pelo mundo. Para tomar em Veneza, Milão, onde até existe um Aperol Café com vista para o Duomo, ou no Tropical Garden do Torel Palace, em Lisboa, com vista para o casario.

The Negroni

Em Florença conta-se que, em 1920, o Conde Camilo Negroni pediu ao barman do Caffé Carsoni, Fosco Scarselli, para dar um toque “mais forte” ao seu drink de eleição. Levava Campari e Vermute e terminava com soda, que dessa vez foi substituída por Gin. Assim nasceu o nasceu o Negroni, um dos mais famosos cocktails do mundo, e se infelizmente já não o pode beber no bar original – fechou em 2017, depois de 200 anos de portas abertas – pode sempre pedir um na Vermuteria Gastrobar, na baixa do Porto.  

Dry Martini

Também chamado de rei dos cocktails, o Dry Martini não podia faltar. Para beber num ambiente cosmopolita, a lembrar as origens nova-iorquinas, pois terá sido inventado naquela cidade pelo barman John O’Connor, no virar do século passado. Leva vermute seco e gin, uma azeitona verde e tem de estar bem gelado. Quanto à eterna dúvida, Shaken ou Stirred, saiba que ao usar um copo misturador está a adicionar pequenas partículas de gelo à bebida, mas se apenas o mexer com grandes cubos de gelo refresca sem diluir… À falta de Nova Iorque, pode pedir um Dry Martini no Cinco Lounge, verdadeiros mestres da arte do cocktail em Lisboa.

Singapore Sling

Chega-nos da Ásia, com muito amor. A bebida foi inventada a pensar especialmente nas senhoras, pelo barman Ngiam Tong Boon, no Long Bar do hotel Raffles naquela Cidade-Estado. Estávamos então por volta de 1915. De estilo colonial e luxuoso, o Raffles era – e continua a ser – o clássico hotel de Singapura, pelo que pode ter a experiência superior de beber um Singapore Sling nesse mesmo Long Bar. Se não quiser viajar de avião experimente o Rossio GastroBar, no topo do Altis Avenida, em Lisboa.

Mojito

Cuba, Havana, Bodeguita del Medio ou, simplesmente, La Bodeguita. Hoje é impossível visitar o local sem estar rodeado de magotes de turistas anónimos, em busca desses tempos em que o Bodeguita era frequentado por magotes de turistas… famosos! Salvador Allende, Pablo Neruda, Errol Flynn e evidentemente Ernest Hemingway, que grafitou nas paredes – hoje completamente escritas: “My Mojito in La Bodeguita, My daiquiri in El Floridita.” O mojito é dos poucos cocktails realmente populares em Portugal, pelo que na falta de uma viagem a Cuba não terá dificuldade em encontrar quem o faça muito bem. Dito isto, o Daikiri, na Praia da Madalena em Vila Nova de Gaia, é perfeito não só para Mojitos como para Daiquiris, Margueritas e demais bebidas com sabor caribenho. Com vista para o mar,

Por C-Studio / Cofina Media