10 filmes vencedores de Óscares para ver em casa 10 filmes vencedores de Óscares para ver em casa

10 filmes vencedores de Óscares para ver em casa

10 filmes vencedores de Óscares para ver em casa

Preparem as pipocas, baixem as luzes e desliguem os telemóveis, porque o filme está prestes a começar. Na sua sala.


Publicado em 19-Fev-2021

As plataformas de streaming têm várias vantagens, entre elas a possibilidade de ver ou rever filmes que fizeram sucesso nas salas de cinema. Deixamos-lhe uma seleção de 10 filmes marcantes, entre clássicos e sucessos mais recentes…

Marriage Story

Produção da própria Netflix, “Marriage Story” foi um dos grandes filmes de 2020 e conta, até como o nome indica, a história de um casamento, ou melhor, a história de um divórcio. Escrito e realizado por Noah Baumbach, que terá ido buscar inspiração à sua história pessoal (foi casado com a atriz Jennifer Jason Leigh) é um filme sobre emoções, sobre pessoas e as relações humanas. Apesar de ter vencido um único Óscar – o de Melhor Atriz Secundária por Laura Dern -, também foi indicado para Melhor Filme, Melhor Ator (Adam Driver), Melhor Atriz (Scarlett Johansson), Melhor Argumento Original e Melhor Banda Sonora Original. Para ver ou rever… na Netflix, é claro.

Forrest Gump

Campeão dos Óscares de 1994, arrecadou os prémios de Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Realizador e Melhor Argumento Adaptado, Melhores Efeitos Especiais e Melhor Edição. Um marco na história do cinema, relata quarenta anos da história dos Estados Unidos, vistos pelos olhos de Forrest Gump (interpretado por Tom Hanks, num dos seus papéis mais marcantes de sempre), um rapaz com QI abaixo da média, mas muito boas intenções e que, sempre por acaso, consegue participar nos momentos cruciais da história dos EUA, como a Guerra do Vietnam e Watergate. No final, acaba por encontrar o seu amor de infância. Para ver na Netflix.

Pulp Fiction

Original e ousado, Pulp Fiction foi apresentado no festival de Cannes há 27 anos, onde ganhou uma Palma de Ouro, tornando-se o filme que afirmou Quentin Tarantino como um dos maiores realizadores da atualidade, recuperou a carreira de John Travolta (que recebeu uma indicação da Academia para Melhor Ator). “Pulp Fiction”, cujo título é uma referência às revistas pulp, populares durante a primeira metade do século XX, caracterizadas pela sua violência gráfica, tem diálogos inesquecíveis, numa mistura irónica de humor e violência. Apenas venceu um dos sete Óscares para os quais foi nomeado – Melhor Argumento Original -, mas entrou para a história do cinema e de todos nós. Para ver na HBO.

Lawrence da Arábia

Outro dos grandes clássicos do cinema, um dos maiores, este épico histórico ganhou sete Óscares, incluindo Melhor Filme, e as nomeações de Peter O’Toole e Omar Sharif. Baseia-se na biografia de T.E. Lawrence (1888-1935), arqueólogo, militar, agente secreto, diplomata e escritor britânico que, admirador confesso do deserto, ajudou a unir as tribos árabes contra os turcos durante a Primeira Guerra Mundial. O filme mostra os episódios principais da vida desta excêntrica personagem durante a sua estada na Arábia: a conquista de Aqaba, as ações de guerrilha contra o Império Otomano, o seu rapto e tortura pelos turcos em Deraa, e o fim do sonho de união das tribos árabe em Damasco. Na Netflix.

O Grande Hotel Budapeste

Um dos filmes mais mediáticos de 2014, esta longa-metragem dirigida por Wes Anderson é interpretada por um elenco de estrelas impressionante, onde se incluem nomes como Ralph Fiennes, Adrien Brody, Willem Dafoe, Saoirse Ronan, Edward Norton ou Jude Law, entre muitos, muitos outros. Foi nomeado para nove categorias, mas o realizador e os produtores do “Grand Budapest Hotel” saíram do Dolby Theatre, em Los Angeles, apenas com quatro estatuetas em categorias mais técnicas.  O filme narra as aventuras de Gustave H (Ralph Fiennes), lendário recepcionista num famoso hotel europeu entre as duas grandes guerras e Zero Moustafa (F. Murray Abraham), o bagageiro que se torna o seu amigo mais leal. Na HBO.

Bohemian Rhapsody

O filme que relata a história de Freddie Mercury, o mítico vocalista dos Queen, deu que falar em todo o mundo, recebendo boas e más críticas, algumas feitas pelos próprios membros da banda por conter uma série de imprecisões históricas e cronológicas. Mais consensual foi a performance do ator Rami Malek que lhe valeu o Óscar de Melhor Ator (a par de Melhor Montagem, Melhor Mistura de Som e Melhor Edição Sonora), tal como o sucesso em bilheteiras, já que arrecadou mais de 903 milhões de dólares. Também venceu os Globos de Ouro, para Melhor Filme Dramático e Melhor Ator e ainda o BAFTA para melhor filme britânico. Para ver na Amazon Prime.

A Vida é Bela

Para quem nunca viu (mas deveria ter visto), “A Vida é Bela” é uma comédia dramática italiana de 1997, dirigida e interpretada por Roberto Benigni. O filme passa-se durante a Segunda Guerra Mundial e conta a história de Guido, um judeu bem humorado que conquista a mulher que ama e constrói uma família feliz. Mas, sendo judeu, e proprietário de uma livraria na Itália fascista é preso e enviado com o seu pequeno filho para um campo de concentração. ali terá de usar toda a sua inteligência e bom humor para proteger o filho do horror que estão a viver. Venceu o Grand Prix do Festival de Cannes em 1998 e três Óscares nas categorias de Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Actor e Melhor Banda Sonora em 1999. Na HBO.

Este País não é para Velhos

Este clássico dos irmãos Coen, baseado num romance homónimo de Cormac McCarthy, é um thriller hipnótico. Com Javier Bardem a interpretar o papel de um assassino cruel, contratado para matar um caçador (Josh Brolin) que descobre uma carrinha rodeada por cadáveres e dois milhões de dólares. Decidindo ficar com o dinheiro e desencadeando uma série de acontecimentos de grande violência. “Este País não é para Velhos” foi nomeado para oito Óscares, vencendo quatro: Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Ator Secundário e Melhor Argumento Adaptado. Na Amazon Prime.

Argo

A 4 de Novembro de 1979, a revolução iraniana atinge um ponto de ebulição quando uma multidão invade a Embaixada dos EUA, em Teerão, e faz 52 reféns norte-americanos. No meio do caos, seis conseguem escapar e esconder-se na casa do Embaixador do Canadá. “Argo” conta então a história de um arriscado plano da CIA para conseguir resgatar esses seis norte-americanos. Um filme baseado numa história verídica e realizado e protagonizado por Ben Affleck. Venceu os Óscares de Melhor Filme e Melhor Argumento Adaptado em 2012. Na Netflix.

O Irlandês

Depois das séries, a Netflix aposta cada vez mais na produção cinematográfica e “O Irlandês”, um drama policial dirigido por Martin Scorsese, parecia uma aposta segura para os Óscares no ano passado. Não chegou a ganhar nenhuma das dez nomeações – entre elas Melhor Filme, Melhor Realizador e duas para Melhor Ator secundário,com Al Pacino e Joe Pesci, mas ainda assim merece o destaque aqui. Até porque a grande vantagem de o ver em streaming é que pode parar o filme caso não tenha resistência para estar sentado durante as 3h30 de duração deste filme! Na Netflix.

Por C-Studio / Cofina Media