Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro

Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro

Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro

Se nunca tinha pensado comprar um barco, pense melhor. Afinal consegue imaginar melhor solução para de divertir junto de quem mais gosta sem outras pessoas por perto?


Publicado em 10-Ago-2020

Os planos foram alterados, as viagens ao estrangeiro canceladas e, em muitos casos, até os campos de férias para os miúdos tiveram de cair… o Mundo está definitivamente diferente, e já vai sendo tempo de experimentar um novo tipo de férias, longe das multidões, mas junto de quem mais quer. Umas férias marítimas.

Não que o mar nos seja estranho, como a história demonstra, mas andamos há demasiado tempo de costas voltadas – e isso não pode continuar. Claro que também não pode simplesmente comprar um barco e sair por aí a navegar, qual Bartolomeu Dias. A menos que a escolha recaia sobre uma simples canoa a remos, divertida, mas incapaz de ir muito longe. Ou seja, para experimentar as verdadeiras alegrias de uma embarcação de recreio há que cumprir algumas formalidades, como tirar a carta de marinheiro, antes até de se aventurar mar adentro.

Quem estiver realmente interessado em adquirir já sabe que há (quase) tantos barcos como peixes no mar: pequenos, grandes, à vela e a motor, com e sem cabine, utilitários, de recreio, semirrígidos, luxuosos… mas antes de escolher o seu, que tal alugar primeiro? Assim pode viver a experiência sem investir (ainda) as poupanças.

Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro | Unibanco
Azimut-80

Azimut-80

Há muito por onde escolher, como por exemplo um divertido Bénéteau Flyer 5.5 Spacedeck, na marina de Portimão, que leva até 6 pessoas por 325 euros/dia, ou então pelo Albatroz, um Azimut 80 e o maior charter na marina de Vilamoura, com quatro cabines, todas com casa de banho, por 5 330 euros/dia o fim de semana. Em alugueres maiores a tarifa diária baixa, mas também pode optar por experienciar apenas as duas horas do pôr-do-sol por 1900 euros. Neste caso o Albatroz pode levar até 19 pessoas, pelo que as contas são fáceis de fazer. As embarcações vêm obviamente com a sua própria tripulação e, muitas vezes, um conjunto de brinquedos a bordo, como dinghy, Jet-Sky, Stand Up Paddel, banana, etc.

Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro | Unibanco
Barco Casa no Alqueva

Barco Casa no Alqueva

E também não existem apenas no Algarve, porque em qualquer sítio com água vai seguramente encontrar um barco para alugar. Em Cascais pode fretar uma lancha e dar um passeio de oito horas até Sesimbra, que lhe sai a 1500 euros. Para 10 pessoas. Em Lisboa, visitar o estuário do Tejo e as suas reserva naturais a bordo de um barco elétrico a partir da marina do Parque das Nações. Os passeios começam logo nos 16 euros. Na Ria de Aveiro pode dar um passeio num tradicional barco Moliceiro com degustação de ostras, por 23 euros (2h30) e, no Alqueva, além dos passeios pelo “maior lago artificial da Europa” pode até alugar um Barco Casa para pernoitar e passear. Os barcos – existem com lotação máxima de 4 até 12 pessoas – possuem zonas de solário, pesca e barbecue exterior. Melhor ainda, são tão fáceis de manobrar que dispensam carta de marinheiro, apenas uma breve formação no momento do check in. Já os preços começam nos 278 euros por noite em época alta, 167 em época baixa.

Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro | Unibanco
Lagoon 39

Lagoon 39

E que tal descobrir o Douro precisamente a partir do rio, a bordo de um Catamaram Lagoon 39, que alberga até oito pessoas? O preço são 5850 euros a semana (2900 em época baixa), mas quanto pagariam por todos esses quartos em hotéis? Com a diferença de que aqui vai viver uma aventura, de Gaia até Foz Coa – e se tiver experiência comprovada pode até dispensar o skipper a bordo. A Feel Douro oferece outros passeios mais em conta, diferentes embarcações e inclusivamente apenas alguns momentos de diversão no rio.

Mostrámos-lhe várias oportunidades para alugar umas férias marítimas – e existem muitas mais inclusivamente dentro dos sites que indicámos -, mas quando o dinheiro não é problema (ou sonhar não custa), então o Zeelander 55 consegue ser um dos iates mais elogiados do momento… Custa qualquer coisa entre os 2 milhões e meio e os três milhões, o que o deixa muito longe dos iates mais caros, e mais longe ainda da esmagadora maioria das bolsas, mas ainda assim os peritos elogiam tudo o que oferece pelo preço e para o tamanho de 55 pés (16,76 metros). Três espaçosas suites, um salão, zona de refeições e uma generosa galley no deck inferior, mais muito espaço para estar ao ar livre.

Barcos 2020: do (quase) barato ao (muito) caro | Unibanco
Sunseeker Portofino 40

Sunseeker Portofino 40

Mais “em conta”, até porque não basta custear a compra e há que pensar em todas as outras despesas associadas (marina, manutenção, etc), a Sunseeker está a vender um Portofino 40 de 2013 por 339 mil libras (375 mil euros). Duas cabines, casa de banho, galley e zona de estar/jantar no deck inferior e um look claramente desportivo. Um luxo em oportunidade, pois um barco equivalente, novo, custa o dobro.

Já a Jeanneau oferece um Leader 30 completamente novo a partir dos 127 mil euros.  Um pouco mais pequeno, tem uma cabine completa e a zona de estar pode ser convertida em zona de dormir. É a mesma lógica do sofá-cama na casa de férias, mas com mais estilo, provavelmente por menos dinheiro, e muito mais liberdade.

Por C-Studio / Cofina Media